Medicina e Culinária

Embora queiram uns e outros não, a Medicina e a Culinária caminham juntas e, ao que parece, é até difícil dizer se a Medicina surgiu antes ou depois da Culinária, já que existem alimentos que ajudam a manter, melhorar ou até recuperar a saúde de um indivíduo. Uma boa nutrição reflete numa boa saúde.


A Culinária é a arte de cozinhar, mas esta arte não está, nos dias de hoje, voltada apenas aos prazeres da degustação. Cada vez mais a culinária preocupa-se, além do sabor, com as necessidades de ingredientes benéficos à saúde, procurando, paralelamente, excluir ingredientes que possam de alguma maneira prejudicar o bom desenvolvimento das funções do corpo humano, quer em curto ou em longo prazo.


No Ocidente foi concebida a matéria como sendo formada por quatro elementos: terra, água, ar e fogo e estes elementos correspondiam, no corpo humano aos quatro humores (substâncias orgânicas líquidas ou semilíquidas), que seriam atrabílis, fleuma, sangue e bílis, respectivamente, e um perfeito equilíbrio destes elementos garantia a saúde. Cada um dos elementos da matéria, por sua vez relacionados aos elementos do corpo humano, levou aos conceitos de ingerir ou de evitar certos alimentos.


Esses conceitos foram responsáveis pela demanda das especiarias através dos descobrimentos portugueses e pela colonização da África e das Índias pelo Ocidente. Após 1520 o médico e alquimista Paracelso começou a se interessar pelo assunto e criou novos conceitos e, segundo ele, o cozimento dos alimentos resultaria em três elementos: - um resíduo sólido, ou “sal”, que contém sabor; - um fluido oleoso, ou “enxofre”, fonte de suavidade e umidade e - um componente volátil, ou “mercúrio”, que contém os aromas. O cozimento, distinguindo os três elementos, acabou por influenciar outros médicos e alquimistas melhorando a alimentação e, por conseguinte, a dieta, até os dias de hoje.


O caldo de carne contém o melhor dos alimentos e restaura as energias. Surgiu na França e foi chamado de “restaurant”. Para servi-lo surgiram os “restaurantes”, inaugurando a nova era da gastronomia. Paralelamente a fermentação, o refino e a destilação fascinaram a todos. A fermentação gerando bolhas (águas gasosas, vinhos espumantes) foi considerada saudável para o cérebro.


As substâncias refinadas, oleosas, como a manteiga, tornaram-se a base dos molhos. Na atualidade os médicos (em especial o nutrólogo – médico especializado em nutrologia, que estuda as doenças relacionadas à nutrição) e os nutricionistas (profissionais que se ocupam do planejamento e do uso científico da dieta na saúde e na doença) serviram-se dos conhecimentos acumulados durante milênios, e colocam com segurança a necessidade de uma alimentação controlada em qualidade e quantidade. Isto gera a manutenção ou recuperação da saúde e, por conseguinte, uma qualidade de vida mais satisfatória e duradora.



AGENDE UMA CONSULTA AQUI




AGENDE UM CONSULTA

DR. ADEMAR AURELIANO DUARTE




4 visualizações